4 de dez de 2008

Simplesmente amor

Romance é sempre (sem maldades, por favor) uma coisa dentro da outra. O teatro dentro do cinema, a literatura dentro do teatro, o teatro dentro da televisão, a literatura dentro da televisão, a literatura dentro do cinema, a televisão dentro do cinema, o cinema dentro da televisão (e tudo isso vida adentro). O amor lido, o amor sentido, o amor vivido, o amor atuado, o amor fingido. O ator na vida que vive um ator que finge ser um não-ator que atua. História dentro da estória, camada sobre camada, um corpo sobre o outro, uma mídia sobre a outra. E nós, e todos os nossos outros nomes, todas as nossas outras emprestadas vidas (Pedro, Tristão, Julieta, Cyrano, Ana, Isolda, Romeu, Roxane), lá – inteiros.
Romance é filme inteiro, que nos supre redondo: inteligência e sensação. Tenho a tendência de me apaixonar por obras que eu possa, literalmente, saborear. Aquelas saliváveis, mascáveis, que demoram e derretem na boca à Guimarães Rosa ou Machado. Pois eu saí da sessão de Romance com gosto de petit gâteau na boca – uma plenitude de recheio doce, cremoso e quente. Aliás, minha história de amor com os roteiros de Jorge Furtado vem de tempos imemoriais: eu-menina, na escola, assistindo a Ilha das Flores. Desde então, estivemos sempre juntos. Já que o terceiro vértice sempre foram as regionalices fofíssimas de Guel Arraes, Romance só podia acabar em happy-end. Amor recíproco (porque o artista só pode amar a quem brinda com filmes assim) e feliz. Juntos, Jorge e Guel transformam midasmente qualquer matéria-prima em canaã onde corre leite e mel. Romance, tanto ou quanto (ou mais que) os outros rebentos da dupla, é filme úmido, farto e fértil como o Cântico dos cânticos. E cíclico, sempre cíclico – marca registrada de Jorge, da vida e das máquinas bem azeitadas. Tudo clockworking, sem uma peça ou fala fora de tempo e de lugar. Preciso e generoso.
Como de costume, Guel trabalha com poucos e excelentes. Wagner Moura é um dos raros que geram mocinhos tão soberbos quanto vilões. Letícia Sabatella brilha com seus olhos de gueixa-kabuki-máscara, olhos de taça de vinho prestes a transbordar. Vladimir Brichta, cada vez melhor, se desdobra como fingidor que finge tão completamente. Andréa está, entre Marilda e Radical Chic, totalmente Beltrão. José Wilker – lacônico – e Marco Nanini – exasperado – abocanham cada uma de suas poucas cenas. Tudo e todos descendo skolmente; tudo era uma vez. É filme que se quisera mais infinito do que o enquanto-dura, filme que (es)corre e não se sente. Enquanto dura, porém, nós e todos os nossos outros nós, as nossas outras emprestadas vidas (Guel, Wagner, Letícia, Jorge, Vladimir, Andréa), somos felizes para sempre.

34 comentários:

grupo gauche disse...

Nossa, depois de toda essa descrição, fiquei muito tentada a ver esse filme, concordo com o que vc fala sobre o Wagner Moura e pra mim só por ele já valia a pena o filme... que bacana o que você fala da literatura tb... sim literatura e suas irmãs, artes, teatro... amo muito tudo isso

Alexandre disse...

Só pela Letícia "Romance" vale a pena, intensidade e arte pura!
Belíssimo blog. Serei leitor assíduo.

MissCrazyLove disse...

erro fatal: ''História dentro da estória''
minha nossa....

Diego disse...

verdade....belos atores que são tão bons quanto uma skol mesmoo rsrsrs

ja tive a oportunidade de ver uma peça de josé wilker mas isso ja faz uns 4 anos....

belo blog amigooo

abraçosss

Comida Escrita disse...

Já havia programada para assistir ao "Romance".

será que vale a pena, ou é aquela velha lenga-lenga, água com açúcar de sempre? Creio que não, haja vista os atores em questão =)

http://comidaescrita.blogspot.com
(Saborei sem moderação!)

Carlos Eduardo disse...

Fiquei sabendo que a cena de sexo é - de certa forma - forte. Mas ao mesmo tempo é a mais pura demonstração, e mais bela cena de amor.



Preciso conferir.







http://putoanonimo.blogspot.com

Jonas Migotto disse...

apesar de eu nao gostar muito de filmes, livros, teatros, etc de romance o texto tá ótimo e o blog tambem
parabens


-------------------------------------
http://www.opsdagua.blogspot.com/

Bia *~* Ballu disse...

Amor... romance... agente só sabe descrever na hora que sent,e eu acredito =D



http://alacarte-domeujeito.blogspot.com/

verossimel disse...

Ops! to louca pra ver esse filme admiro muito o trabalho do Wagner Moura

Nina Vieira disse...

Assisti Romance recentemente pensando numa coisa que o Dan stulbach tinha me falado, que era essa coisa do como dois em Dois, lembrando a letra de Caetano, assim como esta foi a mesma sensaçao q ele teve ao assistir Vicky Cristina Barcelona. O amor simples, como dois e dois sao cinco.

Arthur Santana disse...

em menos de 10 minutos ja eh o segundo blog q fala desse filme!
tenho q ver!!

--
www.moolegal.wordpress.com

GaB. disse...

Eu to super duper a fim de ver esse filme! :D:D

Miriã disse...

Tenho que ver isso!

Eloá Menegocos disse...

Nossa!
Parece tentador. Preciso ver Romance.

:*
ótimo texto

Isa Mangelli º disse...

Nossa, depois dessa narrativa, fica impossivel não brotar a vontade de assistir ao filme. Você escreve muito bem, parabéns!
Já tinha ouvido várias pessoas me falando desse filme. Intenso. Profundo, poético.
Não posso perder!!

Beijoo
Paz e Luz no seu coração.

www.isamangelli.blogspot.com

Marcos Costa Melo disse...

Gostei da crítica, parabéns.

Confesso que aumentou meu interesse pelo filme e isso é um mérito de quem escreve.

abs

DIGNITAS disse...

Pôxa, bela descritiva. Fiquei curioso e ansioso para a primeira oportunidade de assistir ao filme.
abraçoss

Veiga disse...

pelo pouco q eu vi, apesar dos atores... não gostei do filme.

calango azedo disse...

romence eh um boquete bem feito

Fernando Serra disse...

Amor nascisista, platônico, solitário... Todas as formas são verdadeiras....
Basta saber valorizar....
______________________________________
Visite: http://opinenoblog.blogspot.com

Tђαммy disse...

Uau!
Fiquei atordoada com tudo dentro de tudo assim!!
Na boa...Prefiro o Romance na literatura, o restante fica quase gliche.E o Wagner Moura é um ator incrivel, tão novo e tão talentoso.
Abraços

Edu França disse...

Vou procurar o filme sim, me deu vontade agora!

calango azedo disse...

bonita imagem

Pedro Junior disse...

Olá, muito boa essa sua Visão! bacana mesma, o blog já sempre com conteúdo interessante!

Parabéns!!!



http://visaocontraria.blogspot.com/

Guilherme Santos disse...

legal
mto bom o texto

Angela disse...

Adorei o filme, adorei o comentário e adoro vc.

Fábio Flora disse...

"Romance" é um daqueles filmes que eu gostaria de ter escrito. Tenho uma inveja boa do Jorge Furtado, o roteirista. O cara tem um talento para escrever redondo, redondo. Em geral, os textos dele não têm arestas, são cheios de rimas internas e pílulas de genialidade. Costumo ter uma inveja boa também da minha Fernanda – a escrita dela não é igualmente redondinha?

computaki disse...

não gosto do genero, mas ta legal seus textos!
http://computaki.blogspot.com/

Mauro disse...

tenho q ir assistir :D

Rosangela A. Santos disse...

Ah.... agora eu quero e por quero ver esse filme de qualquer jeito ..

deve ser tudo de bom ... rs

Abç.
*
*
http://www.analucianicolau.adv.br

Lajlah Najua disse...

Escreves muito bem!
Para mim quando alguém escreve bem é quando eu sinto que estou ouvindo a pessoa falar... e só percebo que "li, não ouvi" quando acordo do transe e termino de ler o texto!
Parabéns pelo blog!
visite o meu mais vezes! Será uma honra tê-lo como leitor assíduo!

Dário Souza disse...

Cara ce me deixou com vontade de ver esse filme,confesso que tinha ficado com um pe atras em relãção a ele,fiquei pensando comigo um filme de romance que se chama romance é muita falta de originalidade,e eu nao curto muito a sabatella,mas enfim axo que vou dar uma chance a esse romance,tem o jorge furtado ( nem sabia ) vou ver sim.Brigado pela dica.Em breve eu posto uma critica do que axei do filme la no meu blog.

Letícia disse...

Pois é, tô maluca pra ir ver o filme, como vou ao cinema uma vez por semana (sempre às 4as., obviamente rs), sempre acaba entrando outro filme na frente dele. Mas depois dessa resenha emocionante, fiquei maluca.
Parabéns pelo texto, viu?
Bjs!

greatdj disse...

Foi o primeiro contato que tive com este filme, agora.
Não tinha ouvido falar mas sempre uma história romântica cai bem.
O Wagener Moura tá sendo um dos melhores atores atuais.
Sempre sai bem nos papéis.