11 de abr de 2010

Aquarela animada

Faz uma semana entrei numa livraria como quem não queria nada e dei de cara com um livrão de capa colorida e rostos bem familiares: Charlie Brown, Manda-Chuva, os Flintstones, os Jetsons, Tom & Jerry e outros tantos superamigos da minha nada velha infância. Saudade deles. Saudade que me fez garimpar um cantinho tranquilo da loja para folhear página por página do tal livro, o Animaq – almanaque dos desenhos animados, de Paulo Gustavo Pereira.
Quem um dia se divertiu com as travessuras do Pica-Pau, acompanhou Scooby e sua turma desmascarando “fantasmas” nada sobrenaturais ou já se imaginou pilotando o Mach 5 certamente vai adorar essa antologia, que reúne zilhares de desenhos e curiosidades do fantástico mundo da animação. Uma verdadeira corrida maluca, que começa nos anos 1930, com o charme da provocante Betty Boop, e vai até o melhor desenho de todos os tempos da última semana, que pode ser o Ben 10 ou qualquer outro animê legitimamente norte-americano.
Uma delícia reencontrar Eric, Hank, Diana, Sheila, Presto e Bobby (ainda) perdidos na Caverna do Dragão; o lalalalá dos Smurfs azucrinando Gargamel; Zé Colmeia e Catatau surrupiando cestas de piquenique em Jellystone; o (nada) bom e (muitíssimo) velho Mum-Rá evocando antigos espíritos do mal a transformar aquela forma decadente no ser de vida eterna... (Tudo isso enquanto o He-Man dançava um rock gravado por Tom Jobim, e a She-Ra namorava o Esqueleto no jardim...)
Tempos bons que invariavelmente voltam quando um sujeito ultrafeliz – como deve ser esse Paulo Gustavo – resolve embarcar numa aventura bem à moda Ducktales (uh-uh!) e desenterrar moedinhas que ficam mais valiosas com o passar dos anos, tesouros como o timing cômico da dupla Papa-Léguas e Coiote; a ironia de cada “que que há, velhinho?” do Pernalonga; e as altas viagens que os Muppet Babies faziam – sem sair do quarto – até que a Babá (só as pernas dela, é verdade) aparecesse e perguntasse “Is everything all right in here?”. Yes, Nanny!
E, se o leitor pensa que that’s all, folks!, está ligeirinhamente enganado. Pois esse Animaq é um almanacão de mais de trezentas páginas, e nele cabem ainda todo o reino de Dar-Shan, a lendária Flor das Setes Cores e latinhas de um espinafre especialmente vitaminado, além de tantas outras estórias de um mundo que não cabe numa folha qualquer, que não se faz com apenas cinco ou seis retas – um mundo que, contrariando a famosa letra de Toquinho, jamais descolorirá.

18 comentários:

Andre Mansim disse...

Véio que barato ! Eu sigo um blog que se chama Flaonze , olhe que tem o link no meu blog , lá tem um montão de desenhos animados pra baixar , já baixei uns 8 dvds de desenhos dos anos 80 e final dos 70 . Boa sua postagem !

Igor disse...

Contrariando Toquinho foi ótimo.
Ótima dica!
Nossa infância merece coisas desse tipo

Igor Guimarães:
http://euseocotidiano.blogspot.com/

Fabricio bezerra da guia disse...

eu gosto muito de desenhos animados.com certeza vou comprar(ou melhor vou tentar comprar)

Marcela disse...

Sensacional, não tíve uma época de ouro no quesíto música, mas em desenhos não me faltou!

http://memoriaspsicodelicas.blogspot.com

superconcurseiro disse...

nossa, nostalgia total, lembro do meu tem po de infancia como se fosse ontem....parabéns...

Habib Sarquis disse...

Nostalgia hein. Parabéns pelo intrigante blog.

Blog: Cultura Dinâmica - www.culturadinamica.wordpress.com

Gustavo disse...

cara, esse livro deve ser bem bonito mesmo viu!

olha, eu quero aqui realmente te dar os meus parabens sinceros (é, sei que nao vale nada né? =p ), mesmo, você escreve muito bem!

Parabens, abraço!

Sharisflips disse...

esse livro parece ser interessante,ou pelo menos legivel.

gostei.

Jeh Pagliai disse...

Ahhh, que demais, adoreii!
Deve ser demais esse livro..rs

Beijinhos

---
www.jehjeh.com

Thamyzinha Iwasaki disse...

adorava esse desenhos, otima dica^_
valeu
ate a proxima postagem
xau

Rogerio disse...

esses eram desenhos bem animados...velhos tempos...que assistia...bom lembrar das coisas boas da vida...

Paty disse...

puxa, que legal este livro! tb sou desta época.
obrigada por visitar o meu blog.
abçs

Gabriel Pozzi disse...

adorei seu texto, está encantador!
é claro que se eu fosse mais velho estaria envolvido em mais sentimentos nostálgicos e talvez pudesse apreciar mais ainda seu post, mas me contento com a leitura super agradável do texto...
conheço todos os desenhos que você falou, o que não significa que eu assisti os mesmos em minha infância (he-man, por exemplo). Isso é uma prova de que tais desenhos são tão importantes que mesmo aqueles que nunca viram um trecho do desenho sabe sobre ele, o nome dos personagens, algumas frases marcantes (pelos poderes de greyskull, eu tenho a força), etc... :)

a questão é, comprou ou não o livro? rsrs
abraço

http://songsweetsong.blogspot.com/

Wellington disse...

Muito boa sua indicação, achava que uma obra desse tipo nem seria possível! =) Ótimo para reviver momentos da velha infância hehehe... eu adorava assistir TV Cruj saudadeeee! X)

Visite meu blog! =D Será muito bom contar com sua presença por lá! =)

Grande abraço!

http://neowellblog.wordpress.com/

Yordan Cavalcanti disse...

ai ai
bons tempos hein?

DouglasFerT disse...

Tb fiquei LOucO qdo achei esse livro. Mas ainda naum tive $tempo para lê-lo =/

As vezes me pergunto: Pq somos TÃO saudosistas?

Enquanto não descubro a resposta, vou matando as saudades de "Tudo isso enquanto o He-Man dançava um rock gravado por Tom Jobim, e a She-Ra namorava o Esqueleto no jardim..." no YouTube...

seuvicio disse...

Se não tiver Thundarr e Eek the Cat está incompleto...

Francorebel disse...

Nossa, quanta referência de desenho animado nessa imagem... gostei, muito bom...