9 de fev de 2009

A vida secreta das palavras

O leitor não é filme de muitas novidades. Ainda mais porque as circunstâncias deram um outro sentido para sua classificação de “filme de época”. O trabalho de Stephen Daldry chegou justinho numa safra de histórias-relativas-à-Segunda-Guerra (junto com Um homem bom, O menino do pijama listrado, o iminente Operação Valquíria) e também numa leva de grandes-atuações-de-Kate-Winslet (junto com Foi apenas um sonho). Conseguiu pegar duas correntes marinhas ao mesmo tempo. Em nenhuma das duas, porém, o longa se destaca significativamente. Com relação ao tema da guerra, não cria tanta empatia quanto O menino..., por exemplo; quanto à performance de Kate, coloca a pulguita atrás de nossa orelha: afinal, por que o papel de Hanna Schmitz – e não o de April Wheeler – foi o escolhido para concorrer ao Oscar? Aliás, a dúvida vai bem mais longe: por que O leitor – e não Foi apenas um sonho­ – foi o escolhido para concorrer ao Oscar??...
Que Miss Winslet merece um crédito balofo por seu trabalho em O leitor, merece, sem pontinha de dúvida. O olhar de Hanna tem vazios, silêncios e raivas muito diferentes dos que há no de April, e, apesar das barbaridades cometidas, é possível sentir até piedade da ex-oficial nazista – que, sem grandes perspectivas senão a da obediência, se apega sem reflexão e sem paixão ao “cumprimento do dever”. O filme, de sua parte, merece crédito por isso: não justifica (é claro) os homicídios cometidos por quem “apenas cumpria o dever”, não tira a carga de Hanna, mas também a torna crível, capaz de demonstrar humanidade e fragilidade em seu próprio orgulho. O “reino das palavras”, como diria Drummond, cumpre um papel interessante no processo de descoisificação da ex-carrasca, especialmente quando o relacionamento – com as palavras mesmas, e não com o leitor, Michael – se torna mais íntimo. Não é, porém, a estrada de tijolinhos amarelos. Sabe-se que letras e artes ajudam no degelo, preparam a terra, mas é preciso estrutura própria para pescar daí algum fruto feliz. Consumir páginas abre a janela para o beabá do mundo; uma coisa, no entanto, é olhá-lo e finalmente vê-lo – e outra é saber o que semear na descoberta.
Embora tudo isso possa ser observado e pensado em cima de O leitor (que nasceu, exatamente como Foi apenas um sonho, para ser discutido e não sentido), a superioridade do outro filme de Kate é visível. Ambos os enredos são densos, tristes e certamente não servem para quem procura Sessão da tarde. Mas enquanto a saga de Frank e April Wheeler é redondamente contada num roteiro que se basta, sem outros artifícios que não a habilidade de escritor e atores, a vida de Michael Berg e Hanna Schmitz nos é apresentada de um jeito meio sonolento – e, não à toa, o longa parece precisar lançar mão de outros, hum, recursos para prender a atenção do espectador (e posar de cult-oscarizável). Kate Winslet também não carece estar na pele de uma ex-SS-quase-boazinha para mandar ver na interpretação: “cumpre o dever” admiravelmente, como sempre, mas é muito mais exigida – consequentemente, mostra muito mais serviço – em seu endereço classe-médio na Revolutionary Road. As atenções da Academia certamente se voltaram para a Kate errada, para o lado errado. Faz mal não. A menina chega lá. Tanto quanto as palavras, há milhares e milhares de Kates; e, como continuaria dizendo Drummond, “cada uma tem mil faces secretas sob a face neutra”. Pode não ser ainda desta vez, mas o careca douradinho não tarda. Quem melhor do que uma inglesinha para entender de reinado?...

30 comentários:

-= KarraskO =- disse...

Comentado...

By: KarraskO

Fogo disse...

Adorei o pensamento...

Passe no meu blog
http://fogodeletras.blogspot.com/

bia :) disse...

adoro a Kate Winslet...ótima atriz, todos os filmes que ela faz são bons...portanto, adoro ela *-* HUASHEUAS
gostei do blog tbm ;D
beeijos e da uma passada no meu se der :D

O Frango... ® disse...

Muito a fim de ver esse filme, principalmente pra matar a gigantesca curiosidade de saber porque diabos a Kate tá concorrendo ao oscar com ele e não com o Revolutionary World.

Habib Sarquis disse...

Eu não assisti a nenhum dos dois filmes, mas aprecio o trabalho da Kate...ótima atriz, vou correr atrás e ver o Leitor e também conferir: Foi apenas um sonho.

Abraços: Ass: Habib Sarquis

www.habibsarquis.wordpress.com

Letura Dinâmica

Will disse...

Hoje mesmo fui ver "Foi Apenas um Sonho" mas ainda não vi "O Leitor". O primeiro me fez ir ao cinema e sentir o quão conturbada é a relação entre o casal, Kate fez realmente sentir a angústia que sua personagem possuia e, claro, de forma excepcional mostrou uma interpretação digna sim de um Oscar. Verei "o Leitor" pra poder verificar se vale a pena mesmo as indicações, mas Kate podeira no mínimo ser indicada como coadjuvante por "Foi Apenas um Sonho", essa é só mais um das injustiças da Academia...

amandaedalete disse...

Nossa, depois disso tudo é que eu quero ver esse filme mesmo.
Adoro filmes que a crítica "cai em cima"

Alisson disse...

Adoro dramas! são realmente de tesar a alma!

os filmes da seção datarde bem que merecem um oscar, como a acadêmia é injusta.

www.dacordasuapaz.blogspot.com

Anastasia disse...

Adoro filmes que retratam a segunda guerra, e aqueles que se aproveitam de todo o caráter e humanidade dos personagens, sem fazer aquela ótica simplista de que tal lado era mal e apenas mal por si mesmo. Estou louca para ver O Leitor. Outro filme que saiu recentemente e que possui o contexto parecido é Um Homem Bom. Esse tb eu recomendo, tirando que alguns personagens parecem uns "retardados" (vide a ex-aluna e então esposa do personagem central).

Mas tirando isso o Viggo Mortensen está incrível.

Daniel Augusto disse...

Oi *-*
Nossa, eu quero ler esse livro, que deu origem ao filme.
A história me pareceu muito legal, mas ainda não tive a oportunidade nem de ler e nem de ver.
;T
O menina do piajama listrado eu já li *-* É lindo, né?!
;D
A história tem uma simplicidade incrível, que se manteve do início ao fim.
Adorei seu blog.
Posso adicionar aos favoritos do meu?

Abraços,
Daniel.
http://www.esovento.blogspot.com/

Lucas Vieira disse...

Caramba, vc escreve pra algum jornal?!?! poxa fikei muito digamos "prendido" na forma em q vc joga as palavras, a forma em q vc escreve! Blog massa! postagens novas favor me avisar!!

Fuxkrazyman disse...

Adoro filmes que a critica cai encima... ^^ Com certeza vou ver...

Juliano Jacob disse...

Olha, assisti às duas "Winslets" de 2008 e acho que preferi "O Leitor"... Achei o papel de "Foi Apenas um Sonho" pesado pra ela... Muito intenso...

Gostei demais do Blog... Estarei sempre por aqui... Já escrevi sobre os dois e vou puclicar essa semana... Valeu...

Final Cut Edições
www.finalcutedicoes.blogspot.com

Juh disse...

Adoros os filmes que ela faz...
acho uma ótima atriz!
e eles dois tem uma quimica incrivel!!
espero mais filmes com eles juntos!
e vou ver esse filme! to louca pra ir!
beijos!
http://oigatavemsempreaqui.blogspot.com/

saga dos martins disse...

Ainda não assisti e adoro qd vejo em um blog a opimião sobre um determinado filme. Parabéns pela forma de condução do texto!
Beijinhos!!
http://sagadosmartins2.blogspot.com/

André disse...

cara, fiquei com a kate wislet do titanic/ o cameron dirigiu a mina bem para caralho - fez ela fazer um show/ nao consigo ver outro trabalho da mina - sei la / acho que no titanic ela chegou no apice de uma atriz de sua limitaçao. ela nao é uma susan sarandom ou geena davis que conseguem se renovar...uma pena porque a guria é linda para caralho mas travou depois . fui.

Filipe Ferminiano disse...

Belo blog
www.filipeferminiano.com

Jenneffer Keffer disse...

Vou assistir...naum é muito meu genero favorito mas acho que vale a tentativa!

Fábio Flora disse...

Também achei o "Revolutionary Road" um filme mais redondo, sem arestas. Talvez os membros da Academia não o tenham indicado a melhor filme porque tem um parentesco e tanto com "Beleza americana", do mesmo Sam Mendes. Ou o lobby em torno de "O leitor" tenha sido mais forte. E a gente sabe o quanto isso conta na corrida do Oscar. Em relação à Kate Winslet, não consigo decidir em que filme ela está melhor. São personagens bem diferentes e atuações igualmente dignas de premiação. April Wheeler e Hanna Schmitz, postas lado a lado, são a prova irrefutável do talento da inglesinha.

Liipee disse...

Ainda não assisti o filme..
mas adicionarei o teu blog aqui como favorito para poder le-lo depois de assistir..
bom, seu texto é bem escrito, e sabes empregar realmente as palavras.

bom, acredito que ela seja uma boa atriz, espero que ganhe o oscar.

abraço !

Guilherme Santos disse...

legal nao conhecia o filme
gosto muito da winslet

LETÍCIA CASTRO disse...

Não vi O leitor ainda. Aliás, estou meio desatualizada quanto a este próximo Oscar, vi 3 ou 4, no máximo. Agora, a Kate manda muito bem mesmo, sou fã dela. É desse tipo de atriz que só cresce, só melhora com o tempo, já é uma lady, quem dirá daqui uns 20 anos. É só acompanhar pra ver.
Beijos!

Airton disse...

opa estreiou o blog com dois filmes de kate hehe
parabens pelo blog
o meu eh de cinema tbm

http://publicandobr.blogspot.com/

Anderson disse...

vontade de ver oo filme *-* =D abçs

JuHits disse...

Hum.. Muito bacana o sue olhar.


Parabéns pelo blog!!

Groo disse...

Bom, é um filme que eu não vi. Aliás, não sou muito de filmes. São poucos, pouquíssimos os que me fazem ir ao cinema ou até mesmo alugar um DVD na locadora. Tenho lá minhas preferências por filmes ( gosto dos clássicos antigos) e atualmente só mesmo "Batman - o cavaleiro das trevas" me causou boa impressão - mas aí sou fã do morcegão das HQ's! hehehehe!

abs!

Veiga disse...

n me interessei por esse filme...

=/

(( E r i k a )) disse...

Legal saber mais sobre o filme!
Quero assisti-lo!
Ando escutando e lendo por aí muito sobre ele!

Wander Veroni disse...

Oi, Fernanda!

Assisti o filme ontem e confesso que "O Leitor" me surpreendeu em todos os sentidos: um pela qualidade do roteiro, da fotografia do filme e pela atuação brilhante de Kate Winslet.

Sem brincadeira, não consigo imaginar o filme feito por outra atriz pq a Kate consegue prender pela interpretação dos olhos, nos gestos e na atitude. Ela deu vida a Hanna. Do mesmo jeito em que ela deixa no "chinelinho" o Di Caprio em "Revolutionary Road". Ela merece o Oscar 2009 com louvor e por provar que interpretar é dar veracidade a um personagem.

Em contrapartida, voltando ao filme, o Michael adulto do "O leitor" é tão inseguro e fraco que te deixa revoltado. Mas, ao ler várias críticas e matérias sobre o filme, vi que a intenção do ator e da direção, era justamente essa.

Então, ponto pro roteiro que deixa na cabeça do espectador o "SE" - ou seja, se o Michael tivesse tido mais atitude, uma postura mais firme, não de menino, mas de homem, teria dado um final mais feliz a história dos dois.

É um filme para assistir e pensar sobre as nossas atitudes com os outros, sobre as várias versões da mesma verdade e sobre o merchan social do analfabetismo que assombra milhares de pessoas até hoje.

Deixei para comentar neste post depois, pq queria ver o filme pra poder argumentar com vcs...hehehe. Gosto muito das críticas que vc e o Fábio trazem no Ultra Muito e não queria fazer um comentário vazio.


Abração e parabéns pela qualidade textual do blog.

=]
----------------
http://cafecomnoticias.blogspot.com

Mr. Ziggy disse...

"Quem melhor do que uma inglesinha para entender de reinado?..."

Hehehehe! Fechou com chave de ouro. Abraço!