21 de nov de 2008

Song of joy

Os professores têm pedras famigeradíssimas do meio do caminho. Uma das minhas é o aluno Whldingthrdwston (nome fictício em cada consoante), que, mau-caratermente toda a vida, é capaz até de deixar a turma inteira levar uma avaliação-surpresa por ser incapaz de assumir uma travessura já incompatível com sua idade. Pior: reclama da avaliação-surpresa até o ponto da ofensa à professora, como se não fosse exatamente o causador da situação. Reclama como inocente injustiçado que não é. Uma hipocrisia de Oscar. Um tipinho de desafiar a paciência de São Francisco. Um caráter (?) que, por essas e muitíssimas outras, resume bastante do que há de mais estragado na humanidade. E o mais grave é que, em certos dias, nos faz desacreditar dela.
Vinha eu de um episódio assim, num desses dias; descrente e down. Cansada. Como o cansaço era menos físico, não peguei o ônibus assim que saltei do metrô, como sempre faço. Por uma total eventualidade (alguns passos a mais para uma olhada rápida numa vitrine) é que eu pude ouvi-los. Primeiro, o estranhamento: som de violinos por aqui? A essa hora da tarde? Algum evento, alguma inauguração? Nada; eram quatro rapazinhos – três deles com violinos, um deles com um pandeiro – tocando lindamente, no meio da calçada, em frente a uma galeria comercial. A caixa do instrumento aberta, para recolher uma ou outra dinheirice. Todos pareciam ter origem humilde, e nenhum deles aparentava ser mais velho do que Whldingthrdwston.
Diante do insólito, do maravilhoso, parei. Boquiaberta. Quando tocaram um trechinho da “Ode à alegria”, que adoro, comecei a chorar o que não tinha chorado em sala de aula nem depois. Chorei a música, chorei o som do violino – segundo Paganini, “o instrumento que mais toca o coração dos homens” –, mas chorei, principalmente, a diferença. A diferença entre o que eu vira e o que eu via agora. Entre a juventude quase apodrecida de Whldingthrdwston e a dos quatro rapazes que não seriam tão aplaudidos quanto os de Liverpool (aliás, não ouvi ninguém aplaudi-los), mas que deveriam amar a música tanto quanto eles. Ou que ao menos a escolheram entre tantos outros e mais “fáceis” caminhos. Que ficaram atados a essas cordas e não, felizmente, a outras.
Aplaudi sozinha a música e a vida dos quatro meninos, deixei um dinheirito na caixa do violino (querendo deixar uma quantia bem maior) e segui para o ônibus, um pouco melhor do que antes. Cantarolando os versos em inglês da “Ode à alegria” (“Come sing a song of joy of freedom tell the story/ Sing, sing a song of joy for mankind in his glory...”). Aquilo era muito mais do que som de violinos na rua. Era gente, né? Eram da mesma espécie de Whldingthrdwston, mas os meninos violinistas agiam como tais. E, de vez em quando, isso nos surpreende.

40 comentários:

Cleidemar disse...

nossa!!!uma prova surpresa por causa de umas estrepolias????hehehe imagina se tu tivesse sido minha professora!!!
esses musicos de rua tem talento e muito, lhes falta oportunidades, pois o mundo da musica é rude...não se precisa dnheiro mas precisa-se de pessoas importantes...enfim..que bom q a musica alivio teu espirito...

Leon Broken disse...

Legal, gostei...
parabens pelo post aew e pelo blog tbm..
abraçossss !!!

http://a-casa-da-morte.blogspot.com/

flw's

Caroline disse...

A diversidade humana é fascinante e apavora ao mesmo tempo!
Infelizmente temos mais meninos "Whldingthrdwston" do que pequenos e belos violinistas, mas ainda bem que estes ainda existem.

Estes talvez foram anjos que lhe ajudaram a aliviar a alma e acreditar que mesmo depois de dias ruins, pequenas coisas podem acontecer para melhorar o nosso dia.

Adorei o post e voltarei sempre!
Beijos e bom final de semana :)

http://pollyefeffer.blogspot.com

Jovens Tolos... disse...

Whdinthrdwston

Dificil de ler com um fôlego só

Tђαммy disse...

Pois é...que bom que encontrou algo que...não digo consolasse, mas pelo menos melhorasse o estado de espirito.Parabéns para os meninos dos violinos que não só fazem a diferença na vida deles mas também de outras pessoas como a ti.
Abraços

Hugo Ceregato disse...

Cara! Eu já estou destruído hoje, depois de um texto desse, quase que assumo uma sexualidade diferente da minha aqui na frente desse pc, uahsuahsuhas. brincadeira, homem tb chora. Sério, provavelmnete vc é professora, foi isso que entendi, e se não for de portugues, demorou pra fazer letras, pq vc é incrivelmente boa escrevendo. Fiquei muito comovido, é tão vida, tão cotidiano, mas tão mágico, tão profundo. Tão pensativo, bem bolado. Sério, mesmo que esteja emocional hj, espero vir mais vezes, sentir um pouco disso.

www.fragmentosdelivro.blogspot.com

Homenzinho de Barba Mal feita disse...

Aqui em São Paulo tem muitos artistas de rua, principalmente no centro.

Uma vez eu também assisti à uma apresentação na calçada da Avenida Paulista, de 3 garotos que tinham entre 15 e 17 anos que tocavam violino. Eu fiquei surpreso quando ouvi eles tocarem "Construção" do chico Buarque.
Tem muitos adolescentes que seguem o caminho errado,mas ao ver cenas como essa, dá uma certa esperança em ver um futuro melhor...


http://hdebarbamalfeita.blogspot.com/

Benito disse...

Bom texto, parabéns.

... disse...

Q coisa... São frases q não costumo ler em HQ!


Um abraço!

http://portaltemdetudo.blogspot.com

David Sampaio disse...

Legal!!!
Bom texto


http://davidsampaio.blogspot.com/

Fábio Flora disse...

Esses meninos fantásticos e seus violinos maravilhosos são uma ode à esperança. Já o seu texto é uma ode à boa escrita, aquela que arrepia e faz pensar ao mesmo tempo. Sorte minha ter você ao meu lado também no Ultramuito.

O Sábio Niestévisky disse...

Adorei o texto, me faz crer que nem tudo está perdido. Parabéns.

Letícia disse...

Fernanda, eu achei uma excelente idéia escrever posts para retratar a maldade desses pseudo-alunos. É a vingança perfeita! hehehe
Sobre os 4 meninos, que maneira linda de contar a sua história. Não há quem não vá se emocionar com o que vc escreveu e imagino que a cena deva ter sido de uma preciosidade única.
Parabéns por ter valorizado o trabalho deles. Tenho certeza que o coração de cada um ardeu quando vc os aplaudiu. É a melhor paga do artista.
Beijo carinhoso pra vc!

Airton disse...

violino eh um instrumento mto bunito
o post ta otimo
se quize passa nu meu
o post de hj eh sobre musica no cinema...ta bem legal



http://publicandobr.blogspot.com/

Gran Magic Carmesin: Nat Valarini disse...

Bom dia!

Fazia muito tempo que eu não passava por aqui...

Gostei muito dewsta postagem, realmente deve ser muito difícil lidar com pessoas como Whldingthrdwston, ainda mais, sendo um profissional de educação que exerce o importante papel de ensinar as matérias, mas que também participa da formação da criança para que ele seja um cidadão. Acho que a pior injustiça é a igualdade, pessoas como esse aluno prejudicam as outras crianças e é sim uma uva estragada no cacho. Espero que aqueles quatro jovenzinhos sejam muito abençoados e tenham sucesso no caminho (bom e correto) que escolheram.

Essa postagem foi linda!

Bjoks!

http://ocaoinfiel.blogspot.com/

Olhar disse...

Fico imaginando que deve ter sido muito interessante a experiência de ver esse destaque em meio a vida corrida do dia-a-dia. É algo que muitos não notam e perdem a oportunidade de enxergar a beleza do momento, sempre tão raro e único.

marceloclash disse...

Muito bom texto. Parabéns pelo ótimo blog.

http://papodomarcelo.blogspot.com/

Daniel Nápoli disse...

Blog interessante!
Parabéns!
Abraço!

Camila Passatuto disse...

Às vezes no decorrer do nosso dia nos deparamos com cenas assim, que parece que fazem parte de um roteiro qualquer de um curta metragem qualquer.

Sabrina Andrade disse...

caramba..

Ms. Molly Bloom disse...

também sou professora e não acredito q a avalição deva se tornar um instrumento de poder do professor.

sei como são essas pestes e creio que a disciplina é tudo para uma boa aula.

podemos conversar mais.
bom domingo.
http://superslainte.blogspot.com/

Péricles Carvalho disse...

ah, valeu pelo feliz natal - to lendo o seu blog - muito legal, hehe!

vou sempre passar por aqui - um abraço!

Juka disse...

queria poder escrever assim. parabens!

Kacau disse...

sabe, acho que como aluna penso que se você tiver quatro daquele seu aluno, e pelo menos um daqueles jovens violinistas o mundo valeria mais a pena com certeza.

http://messnatural.blogspot.com/

TIAGÃO disse...

porra de nome estranho!
mas o texto é razoavelmente bom!
valeeewww!!!

Dara disse...

Eiii... adorei aqui...
Acho que música ajuda muito para superar qualquer momento ruim da vida...
Li um post seu que fala do HSM, tah simplesmente NÃO GOSTO. E tbm não acredito como uma coisa tão certinha, faz com que tanta gente tão "erradinhas" fique fascinada, e pior naum tiram nd do filme pra melhorar a vida. rsrs

bjuss

Rosangela disse...

Sabe que desde pequena eu sempre tive o desejo de ser professora, queria fazer letras...SEmpre sonhei em ensinar literatura atra vés de encenações, sempre sonhei em ensinar de uma maneira diferente que envolvesse, mas quanta decepção em ver como estão os alunos de hoje, a maioria não quer saber de nada, não tem um pingo de educação...
Sei que gracinhas acontecem, eu mesma fui uma aluna engraçadinha pacas, mas sempre tive um respeito absurdo por meus professores, sempre soube meu limite e até onde podia ir, eu sempre fazia todos se alegrarem, inclusive os professores, e isso sempre fez de mim grande amiga deles.
Hoje a coisa é bem diferente, os professores são piada para os alunos e isso me irrita muito, meu Deus onde esta a educação, e principalmente onde está o humanitarismo, ...Infelizmente estes são os adultos que teremos amanha e pr isso que ultimemanet convivemos com tanta crueldade, são estupradores, pedofilos, bandidos...
E é por isso que hj quero ser psicologa...
Ainda bem qu para não nos fazer desistir da vida, encontramos pessoas como estes garotos, que nos trazem leveza, que nos fazem viajar e adentrar em um mundo paralelo onde tudo é perfeito...

Beijos no teu coração...

E viuxe escrevi demais...

valacomum disse...

Esse menino deve ter enchido muito a sua paciência... Não ficou claro para mim a idade do seu aluno, mas, apesar disso, eu sou da opinião de que criança pode sim ser mau caráter. Esse papo de que "é só uma criança" serve apenas para encobrir as deformidades que já nasceram com aquela pessoa. Crianças são pessoas e, como tal, podem ser boas ou más. Pode parecer radical para alguns, mas é assim que eu penso.

bruno.ganem disse...

É, a essência do Bom Ser-Humano está espalhada por aí. A do mal também. Em todo canto, do mais humilde ao mais luxuoso, o bem se diferencia através do amor, da justiça e do verdadeiro trabalho dignificante.

Um abraço,

www.ideiasdoganem.blogspot.com

Marcello Lopes disse...

OPA.

VISITANDO E APRECIANDO SEU BLOG.

GRANDE ABRAÇO.

nina disse...

Que conto bonito. Viver de arte. Muito bom.

Daniel Nápoli disse...

Parabéns pelo blog!
Bjs!!!

marceloclash disse...

Very good, sensacional!


http://papodomarcelo.blogspot.com/

rosangela disse...

Opa .. adorei o post .. vc está de parabéns .. gostei mesmo!!

Abç.

Mr. X disse...

Uau, muito bom, um ótimo texto!

Realmente existem muitos Whldingthrdwstons por aí, infelizmente.

http://ofatorx.blogspot.com/

DuDu Magalhães disse...

Sabe que já quis ser professor?

Mas por histórias como a sua que "desisti"

com relação aos artistas de ruas..

lol

sou um deles!

Conquistadores disse...

Quando se diz fascinante é pouco? Simplesmente é algo incrivel e não tem o que ficar discutindo..

É isso e ponto final, muito bom..

Abraços..

Airton disse...

opaa da uma olhada nu meu blog

http://publicandobr.blogspot.com/

vlww

Andréia Luz disse...

Esse tal de Tiagão está por fora: "texto razoavelmente bom?".
Quero ver você escrever melhor do que ela!!!!
O texto está perfeito, fantástico.

PS: Também "gosto" de aplicar teste-surpresa qdo algum Whlid.....
me tira do sério.

Lotte disse...

Vale a pena viver por esses momentos, não?
Estou no caminho para me tornar uma professora. Espero poder doar algo.

Ah!Eu gostoda intensidade dos seus textos.

Obrigada.