7 de set de 2008

O dia da dependência

Uma tarde inteira de domingo sem futebol na tevê, sem rodada do Campeonato Brasileiro, e só porque a Seleção Canarinho – mais conhecida ultimamente como o time do Dunga ou da CBF – joga hoje à noite contra o Chile, em Santiago, pelas Eliminatórias para a Copa do Mundo. Para os que são dependentes desse tipo de jogo (e eu sou um deles), passar por essa abstinência forçada é mais difícil do que se virar nos trinta dentro da banheira do Gugu.
O fato é que o domingo da Independência, sem a minha querida bola rolando, me fez pensar, curiosamente, em como sou muito dependente de certas coisas – coisas das quais não consigo me libertar nem com o famoso grito do Ipiranga.
Sou dependente da música dos Beatles, das almôndegas que minha mãe prepara como ninguém, dos papos vascaínos com meu pai, dos cartões virtuais que recebo diariamente da minha namorada, dos flashpops que não me saem da cabeça enquanto não os decifro, das lembranças coloridas (com ombreiras e xuquinhas) da infância, das doses semanais de cinema, das camisetas temáticas que adoro comprar e exibir, das fotografias que tiro quando visito um lugar novo, das bobagens que falo com os amigos mais próximos, dos jornais que leio todas as manhãs, dos encontros e desencontros da novela das oito, dos repórteres vesgos que deixam as celebridades vermelhas (de raiva, às vezes), dos vídeos raríssimos no Youtube, das notícias disneyanas de Orlando, do meu inseparável mp3, das últimas notícias dos outros no Orkut...
Sou dependente disso tudo e muito mais. E, como bom torcedor brasileiro, com muito orguuulhoooo e muito amoooor. A verdade verdadeira, preto no branco – ou amarelo no verde –, é que não tenho a menor vontade de dar o grito do Ipiranga. O meu berro é outro. Dependência ou...

17 comentários:

Milena disse...

Dependêcia ou reticências. Até rima! ;)

Ótimo texto. Me fez parar pra pensar naquilo de que dependo. Acho que dependo de escrever hai-kais!

Abraços,
Milena.

Fernanda disse...

Tão lindo, que lindo! Nada mais livre do que escolher saudáveis dependências, pequenas terras adoradas, pátrias amadas onde a gente dorme conchegadinho (em berço esplêndido)... Com as coloridices da infância, as novelices das oito (das sete, das seis e -- se possível -- das cinco e meia!), as filmices de sempre, as rabugices do Dr. House, as fashionices do Esquadrão da Moda, as vitaminices Itambé e, muitããããããããããããããão mais especialmente, as palavras queridas do meu escritor, o dia-a-dia tem mais flores, tem mais vida, mais amores!...

Beijocas auriverdes com orelhitas e estrelinhas!!!

Anônimo disse...

Passando e rodando, ritmo de festa,só pra dar um alô e um aloha. Go on and on.

Ass: Edgar Allan Poe, or Monsieur Santos lui-même.

Milena disse...

Ei, olá!

Passei só pra dizer que coloquei seu blog nos meus links (podia?) e que eu tenho, de fato, uma fome de leitura: devorei a letra "n" de Independência. Aproveito, também, pra agradecer os comentários nos novos hai-kais e dizer que tem mais sim, na "Seleção de Poesia Velha". rs

Abraços,
Milena.

Alessandra Pacheco disse...

Olá, Fábio! Parabéns pelo blog e pelo lançamento do seu segundo livro! Gostaria muito de ir, mas nesse dia, tenho show... Mas, estou curiosa para lê-lo!

Minha dependência é a música mesmo. De qualidade, sem dúvida nenhuma! Nada de Créu e muito menos Mulher Melancia! kakakaka

Bjs e saudades dos áureos tempos da facul!
Allê

Alessandra Pacheco disse...

Esqueci de dizer que tb sou dependente da Fórmula 1...
Adorei a sua visita ao meu bloguinho...
Bjs para vc e para a Nanda!

Mayna disse...

Não conseguiria ficar um dia sem olhar meu e-mail e o orkut...hahah

http://maynabuco.blogspot.com

Rafael Duarte disse...

Adorei o texto e parabêns pelo Blog! ;] Vlw pela visita lá no meu!!

Digho disse...

ahuahauuua Revolta! essa palavra nos leva á liberdade, independencia....ótimo post ...Acho que dependo de quase tudo rsrs.Sucesso com o Blog.Abraços!

slim shady disse...

Primeiramente quero agradecer pela visita e comentario no meu blog.E sobre tua postagem,sinceramente não consigo ter orgulho do nosso pais tanto do futebol quanto fora dele.

E ultimanete estou dependente do meu blog...

abração ,e parabéns pelo blog.

Poste Azul disse...

Dependo de O2, dindin, sexo... futebol não foi meu forte. Brasil!!!
Texto bacana.

REDE COMUNICAÇÃO disse...

Independência ou morte!!!!

teleférico amarelo da cor azul do ocre verde mar. disse...

Muito bom e simples tão simples ao falar de uma indepêndicia que todos nós falamos no dia-a-dia e que acompanha a liberdade. Mas seriamos mesmo todos libertos? Não, dependemos sempre de algo ou alguem, nós mesmo até às vezes.
Sou dependente de tantas coisas, assumo.

Digho disse...

Independenciaaaaaa Sonho com isso.òtimo post.Suceso e abraços!

Ellen Regina disse...

Independência ou morte?
Morte!!!!
hahahahahhahah

kilocura disse...

Independência ou morte?

MORTE

Ananda disse...

Ainda bem que os campeonatos voltaram para alegrar as minhas tediantes tardes de domingo.
Nõ aguentava mais ficar sem futebol


http://opniaoinutil.blogspot.com/